Natal saudável - 7 truques para o conseguires

A abundância do natal pode trazer ansiedade e stress. Para conseguires ter uma época festiva saudável, praticares comer de forma intuitiva, ouvires o teu apetite e respeitares a a tua fme e saciedade pode ajudar a aliviar a tensão e finalmente começares a encontrar a paz em relação à comida.

Como conseguir ser saudável no Natal?

Já sabemos que tentar fazer dieta durante o Natal não é boa ideia.

Fazer dieta antes do Natal muito provavelmente faz com que digas que mereces a comida natalícia, resultanto em comeres mais do que realmente precisas. Isto leva a desconforto físico, dores no estômago, inchaço e sentimentos de culpa, muita culpa!

Planeares dieta para depois do natal pode criar 2 cenários:

  • Ou comes demais propositamente porque depois é que vai começar a dieta a sério

  • Ou comes mas ficas a pensar e a remorer depois de cada garfada, porque sentes culpa e sofres por antecipação à futura dieta: quanto mais como, maior será a dieta.

De qualquer das formas, nenhuma te traz verdadeira paz alimentar e emocional, essencial para uma verdadeira vida saudável.

Eu mesma tentava compensar e fazer exercício extra ou preparava a minha ceia e as minhas sobremesas e fazia de conta que todos os aromas, as tradições, os sabores, não estavam à minha volta. Em Janeiro já tinha um plano feito para ‘voltar à linha’. Passava a vida toda, o ano todo, a monitorar o que eu comida. A minha alimentação e treinos estavam acima de (quase) tudo e todos. Não só isso não é maneira de se viver, como se afasta muito de uma conceito de ‘corpo saudável’ e levava a constante preocupação com a comida.

Por isso, regras, restrição, dietas não nos ajudam a sair do ciclo. O caminho tem de ser outro.

Tenho notícias fenomenais para ti. É possível teres um Natal saudável onde:

  • Saboreias as comida que realmente queres comer sem culpa

  • Comes consoante o que te apetece

  • Senteste preparada para lidar com comentários em relação à tua nova atitutde perante a comida e corpo

  • Não estás a sofrer por antecipação com a nova dieta em Janeiro.

Vê abaixo 7 dicas que podes aplicar todo o ano, mas especialmente no Natal.



Fazer dieta em Janeiro está fora de questão

Como referi acima, a ideia que de é a última oportunidade para comeres antes da nova dieta pode levar a exageros no natal.

A privação mental, ou seja, só dizeres a ti própria que vais entrar em dieta, coloca imediatamente o corpo em stress e em maior alerta e preocupação perante a comida. Mesmo que estejas cercada de comida e com fácil acesso a ela, a mentalidade de privação fomenta o desejo de comer como se não houvesse amanhã que faz com que o teu comportamento seja exagerado quando te permites comer, acabando por comer para lá da tua saciedade ao ponto de te sentires indisposta.

‘Dependeres’ o mês de Janeiro para a nova dieta, mesmo que subconscientemente, pode fazer com que consumas mais comida do que o necessário e não consigas parar de comer mesmo quando estás satisfeita.

Compreende aqui onde começou a obsessão por dietas e porque elas não resultam.


Dá-te permissão para comeres

Evitares a tua comida favorita na altura do natal faz com que os cravings aumentem, em vez de diminuírem, o que por sua vez faz com que te descontroles na presença deles. Lembra-te que uma refeição ou um único alimento não te faz ser ‘não saudável’. Comer o que apenas consideramos como ‘saudável’ ou ‘seguro’, em vez de te dares permissão para comer o que gostas e satisfaz, deixa-te com água na boca, mesmo depois de uma refeição completa. Tenta compreender o que consideras como ‘não saudável’ ou ‘comida má’ e tenta remover esses filtros nas tuas escolhas. Pondera ‘ o que me apetece comer agora?’. Há espaço para todas as comidas e comida não tem valor moral. Quando comes faz-lo de forma mais consciente e com mais atenção – e acima de tudo sem julgamento. Isto é um passo difícil e não vai acontecer da noite par ao dia! Esta permissão deveria ser praticada todos os dias - e não só na altura de celebrações - até quebrares o ciclo de privação – comer demais – sentimentos de culpa – recomeço do ciclo.

Compreende aqui um pouco mais sobre alimentação consciente.

Reconecta-te com o teu corpo

O período festivo pode ser stressante e motivo de ansiedade. Estas emoções podem deturpar os sinais que o nosso corpo naturalmente manda. Tenta trazer um pouco mais de atenção para os sinais biológicos de fome, saciedade e satisfação e, de um modo geral, tenta reconectar-te com o teu corpo para compreenderes como te se estás a sentir.


Antes de comer, reserva alguns minutos e tenta compreender como está verdadeiramente a tua fome. Sentes muita, pouca, neutra? O que te apetece comer? Doce ou salgado? O que tem bom aspecto em cima da mesa? Dá-te permissão para comer, tal como referi acima, tendo em atenção como o teu corpo se sente quando comes. Está a saber tão bem como esperarias? Queres mais? Faz um check in interno para perceberes como está a tua saciedade. Podes aplicar este exercício para te ajudar a compreender como está a tua fome .É normal inicialmente compreenderes que já estás bem e satisfeita, que não precisas de mais mas quereres continuar a comer.

Se isto acontecer, não te julgues. A privação mental do ‘eu vou-me dar permissão para comer mas no fundo acredito que não o deveria fazer’ faz com que seja mais difícil respeitar os sinais do corpo. Da mesma forma que se for um alimento que te privaste durante muito tempo dele é normal nos primeiros tempos o quereres comer para lá da tua saciedade.

Por isso, não te julgues nem dês por perdido por 100, perdido por 1000. É preciso tempo, clareza e direção para conseguires esta nova atitude perante a comida.


Não transformes o período de Natal numa pré dieta

Enquanto aplicas tudo isto, é importante não transformares esta prática num conjunto de regras ou numa dieta. É normalíssimo comer um pouco além da nossa saciedade no Natal. Contudo, é importante compreender qual é o ponto apartir do qual já te vais sentir fisicamente mal e sem apetite para o resto do dia! A comida não vai terminar de um momento para o outro, logo não tens de a devorar de imediato.

Relembra-te também que tens permissão e o direito de dizer ‘não’ quando um familiar oferece mais comida. Tal como a Evelyn Tribole disse nos seu artigo sobre épocas festivas, não tens de comer a mas só para agradar um membro da família. E também não tens de te justificar se não queres comer mais do que o que realmente precisas.

Nutre de forma consistente o teu corpo

Voltemos ao início do artigo: restrição leva a exagero. Muitas vezes, tentamos ‘poupar’ calorias para podermos comer mais à vontade no Natal. Os efeitos são óbvios: essa privação de nutrição e a própria privação mental vai levar a preocupação com a comida e aumentar as chances de comer demais quando realmente te permites comer.

O próprio principio de tudo isto é contra natura. Se realmente respeitares o teu corpo, ouvires os sinais de fome, satisfação e saciedade, como forma de respeito perante ti própria, vais compreender que o (teu corpo) ‘privar’ do que o que ele te pede para depois comeres ‘demais’ até ao ponto de possivelmente te sentires fisicamente mal é receita para o desastre.

Aliás, se prestares atenção, quando começas a comer depois de uma ‘mini restrição’, como por exemplo saltar o pequeno almoço, a fome poderá ser tanta que nem consegues apreciar a comida com calma. Torna-se também mais difícil de parar.

Em vez de ‘poupar’ calorias, continua a fazer refeições consistentes ao longo do dia. Presta atenção aos sinais da fome e trabalha em honrar a fome e filtrar as vozes que julgam a comida de ‘boa’ ou ‘má’. Mais uma vez, isto deve ser feito todos os dias. Se não comes quando sentes fome consistentemente, o teu corpo naturalmente assume que não há comida disponível, o que faz com que quando te alimentas, seja mais difícil parar. O teu próprio corpo passa a acreditar que alimento é escasso baseado na tua privação, por isso o impulso para comer é maior como forma de sobrevivência.

Comer de forma consistente alimentos que te dão prazer faz com que te sintas mais saciada e satisfeita, diminuem a teu sensação de privação e a tua preocupação com a comida.

Cuidado com a mentalidade de Última Ceia

A mentalidade de última ceia tem a ver com o pensamento binário de ‘perdido por 100, perdido por 1000’. Vem da suposição de que a privação\dieta começa amanhã, então até lá tens o direito de comer tudo o que vier à mente. Isto leva a ignorares os teus sinais físicos de fome, satisfação e saciedade e aumenta a desconexão com o corpo. Este comportamento pode acontecer em qualquer altura do ano, mas é ainda mais comum na altura do Natal. Mais uma vez, é importante salientar que temos de largar o pensamento binário em relação à comida, de comida ‘boa’ e comida ‘má’ para verdadeiramente conseguires respeitares os teus sinais internos! Mereces SEMPRE comer o que te apetece, para te sentires confortável.

Cria limites para assegurares o teu bem-estar

Estar perto de amigos e familiares durante celebrações significa não só expores-te a comida como a conversas e comentários sobre alimentação, dietas e imagem corporal. Aprenderes a lidares com esses comentários – desde sobre as tuas escolhas alimentares, ‘forçarem’ comeres mais comida ou falarem sobre o teu peso – vai ajudar-te a travar a ansiedade nesse dia. Ao estabeleceres esses limites para com quem te rodeia vais conseguir te proteger de pensamentos negativos e da espiral destruidora que leva a exageros.

Compreendo que seja desconfortável expressar que certas observações não são bem-vindas ou que não concordas com certos comentários. Podes simplesmente mudar o assunto para algo como ‘Acho que és fantástica exatamente como estás e adoraria que me contasses como ABC está a correr’, mudando assim o foco da conversa.

Se te sentires mais confortável com a pessoa em questão podes mesmo referir ‘estou a tentar afastar-me de conversas sobre dietas\emagrecimento\peso, porque destruiram a minha relação com a comida e estou a tentar cuidar do meu corpo de forma gentil.’

Caso o teu músculo emocional não estiver forte o suficiente para verbalizar estes teus limites, podes simplesmente retirar-te na conversa ou mesmo da divisão. Podes ir apanhar um arzinho fresco, ligares a alguém que sabe o que estás a passar e partilhar ou simplesmente te afastares de algo que sabes que te vai agredir.

Lembra-te: tens o direito de estabeleceres estes limites pessoais para te protegeres.

Partilha nos comentários, qual será o primeira destes passos que achas que deverias começar a implementar? Quais os teus medos ou receios em relação a eles?


Estás à procura de normalizares a tua relação com a comida e melhorares a tua relação com o corpo?

Como já deves ter percebido, não é do dia para a noite que se faz as pazes com a comida. A minha missão é ajudar mulheres como tu a viverem LIVRES. Vou guiar-te a chegares lá com clareza, passo a passo e de forma estruturada.


Lembra-te: somos fantásticas. E NUNCA desistas de ti!

Segue-me no Instagram!

Usa o meu cupão para descontos e presentes grátis na ZUMUB, PROZIS E EU NUTRITION

Copy of 10% zumub.png
10% prozis.png
_10% eu nutrition.png

Copywright© 2020 de Joana Amaral

 

Todos os direitos reservados. Este site ou qualquer parte integrante do mesmo não pode ser reproduzido sem a autorização expressa da autora, seja para fins pessoais ou comerciais.

Política de Privacidade

Termos e Condições

  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • Pinterest
  • Preto Ícone RSS